De olho na lupa

Grupo de espionagem brasileiro é identificado por gerundismo

Grupo de espionagem brasileiro é identificado por gerundismo

menos de 1 minuto O primeiro grupo de ciberespionagem brasileiro, chamado Poseidon, foi identificado pela Kaspersky, empresa russa de segurança digital. Os pesquisadores determinaram que brasileiros estão envolvidos por conta do uso de gerundismo no código do malware. Os verbos no gerúndio identificam a nacionalidade dos hackers mal intencionados porque não é tão comum o uso desse tempo nominal em outros países que falam português. “Identificamos trechos com expressões como ‘estaria confirmando’ em vez de ‘a confirmar’, como se diz em países como Portugal”, Continue lendo

Nulidades na investigação podem contaminar toda a ação penal

Nulidades na investigação podem contaminar toda a ação penal

menos de 1 minuto Por Carlo Velho Masi O princípio da contaminação, que tem sua origem no caso Silverhorne Lumber & Co. v. United States, em 1920, aponta que um vício se transmite a todos os elementos probatórios obtidos a partir do ato maculado, literalmente contaminando-se com a mesma intensidade. Dessa forma, devem ser desentranhados tanto o ato originalmente viciado como todos os que dele derivem ou decorram, pois igualmente ilícitas são as provas que deles se obteve (LOPES Jr., 2011, p. 585-586). A Continue lendo

Curso técnicas de entrevistas e detecção de mentiras

Curso técnicas de entrevistas e detecção de mentiras

menos de 1 minuto Técnicas de entrevistas e detecção de mentiras. Edição especial para operadores do direito. Curso presencial em Porto Alegre – RS. Em abril de 2016. Vagas limitadas. Pré-inscrição e mais informações: cursos@canalcienciascriminais.com.br Mais informações: http://canalcienciascriminais.com.br/

Condenados podem ser presos após sentença em 2ª instância, decide STF

Condenados podem ser presos após sentença em 2ª instância, decide STF

menos de 1 minuto O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, nesta quarta-feira, que condenados sejam presos assim que tiverem a sentença confirmada pela segunda instância. Até hoje, a regra era prender uma pessoa apenas depois do trânsito em julgado — ou seja, quando terminarem todas as possibilidades de recorrer da decisão. Agora, uma pessoa condenada em primeira instância, se recorrer à segunda instância e tiver a sentença mantida, poderá ser presa imediatamente para o cumprimento da pena. O detento manterá o direito a apresentar Continue lendo