O Detetive Profissional em Juizo

Tempo de leitura: 1 minuto

Ao longo do exercício profissional, muitas vezes o detetive particular pode se deparar com a condição de testemunha. Isso ocorre pelo fato de uma investigação particular possuir consequências técnicas altamente relevantes.

O detetive pode ser intimado na fase policial, mas sobretudo em Juízo, onde ocorre o chamado “crivo do contraditório”. Arrolado pela defesa ou pela acusação, o investigador privado possui posição considerável para o esclarecimento da verdade, principalmente em processos criminais, pois no Juízo Criminal prevalece a valoracao da prova.

O investigador particular deve sempre instruir seus Relatórios de forma minuciosa e com indícios, evidências e provas lícitas. Ao ser intimado pelo Juízo, prezar seu posicionamento pelo Princípio da Verdade Real, ratificando o trabalho realizado e elucidando ao Juiz e as partes os questionamentos.

Costumo insistir que o detetive particular participa do universo jurídico; como coletor de indícios, detecta evidências e como a investigação é o nascituro da prova, o detetive profissional, dentro dos limites legais, contribui significativamente para o Judiciário e o Poder Público em geral, através do cliente/contratante; pois inúmeras vezes, sem a investigação privada, processos são extintos, devido caber as partes provocarem o Magistrado (Princípio da Inércia do Juiz), bem como fornecerem meios para o processamento regular do feito.

Diversas vezes o trabalho do detetive é realizado no âmbito das Execuções Cíveis ou de Família, onde precisam ser realizadas localizações de pessoas e bens que estão sendo ocultados; atos que os devedores praticam para não cumprir a obrigação com os credores; falta de conhecimento quem pensa que o detetive apenas investiga infidelidade conjugal ou desejam de certa forma desmerecer o profissional da investigação particular…a profissão é complexa e ampla, não existindo espaço para aventureiros.

O detetive jamais deve se curvar a violações de seus direitos. Da mesma forma que uma hora estamos no Poder Judiciário como testemunhas, podemos buscar junto a este mesmo grandioso poder democrático, a devida prestação jurisdicional.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *