“O teimoso que nunca atende ao conselho amistoso, encaminhar-se-á na certa para o perigo.”

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Teimosia é a habilidade de persistir em algumas atitudes mesmo quando todos os fatores se mostram desfavoráveis.

A nossa teimosia, é que, as vezes, nos conduz ao erro, por falta de discernimento!

O melhor antídoto para combater a teimosia é o conselho de um amigo, mas nem sempre este antídoto produz o seu resultado necessário no prazo imediato, principalmente quando o teimoso não vê o autor do conselho como seu amigo. A demora no resultado e os efeitos colaterais do conselho amigo podem ser, além de fatais, causarem um grande estrago no relacionamento entre o teimoso e o conselheiro.

detetive ific10Foi assim que consegui conquistar a “antipatia” do Sr. Willian Braga, diretor do IFIC, que se encontra hoje preso sob a acusação de formação de quadrilha, uso de documentos falsos, posse e uso de distintivos de perito criminal com brasão da república, e camisetas com as inscrições “Inteligência Civil”. Todo material apreendido eram parecidos com os da Polícia Civil do Ceará.

A “antipatia” entre eu e o Sr. William Braga se deu exatamente pelas diversas tentativas de minha parte de persuadi-lo em deixar de lado essas coisas, esses materiais, que na minha concepção lhe levaria à ruína um dia. Infelizmente todas as tentativas e conselhos foram em vão. Cheguei a convidá-lo a fazer uma parceria, mas como exigência, ele deveria abandonar todas essas coisas.

“O teimoso sofre de uma avareza emocional que o impede de olhar além das possibilidades atuais”.

Lembro-me bem da última vez em que nos encontramos para uma reunião em Brasília, quando o mesmo chegou ao aeroporto acompanhado de mais duas pessoas vestidos à caráter (policial) com uma camiseta, e bonés pretos com a inscrição “Inteligência Civil”, na cor amarelo, na parte de trás da camisa. Éramos um grupo de 15 a 20 pessoas, a maioria de terno, somente o Sr. William Braga e seu grupo estavam destoando dos demais.

A nossa presença no aeroporto chamou a atenção dos transeuntes e principalmente da Polícia Militar e Federal, que passaram a acompanhar a movimentação do grupo que se encontrava no saguão do aeroporto aguardando a chegada de outros companheiros.

Preocupado com a situação, mais uma vez chamei o Sr. William Braga num canto, e conversei com o mesmo sobre o problema. Educadamente, pedi-lhe que fosse em casa com seu grupo e retorna-se com outros trajes que não os caracteriza-se como policiais. E lembrei-lhe mais uma vez sobre a importância da discrição dos membros da comissão, e que a principal arma do detetive particular, além da inteligência, era a discrição absoluta em tudo. Mais uma vez, o Sr. William Braga, deu de ombros, e rebateu as minhas palavras dizendo que eu não precisava me preocupar com a vida dele.

Na saída do aeroporto para o hotel o grupo se dividiu e seguiram em vários táxis, alguns membros da comissão foram convidados pelo Sr. William Braga a seguir com o mesmo num veículo do grupo que o acompanhava; Ao chegar ao hotel, os companheiros que aceitaram a carona, assustados,  comentaram que viram dentro do veículo do Sr. William Braga, objetos suspeitos como: algemas e um giroscópio igual aos da polícia. Preocupados, esses companheiros se recusaram a aceitar uma nova carona, desta vez, com destino à Câmara dos Deputados, e seguiram em outro táxi.

Ao tomarmos conhecimento dos fatos ficamos preocupados, e ficou decidido que teríamos uma conversa definitiva com o Sr. William Braga, alertando-o que o mesmo não poderia mais participar das reuniões com esses trajes.

Lembro-me bem deste dia como se hoje fosse!

Durante os dois dias em que permanecemos em Brasília, o Sr. William Braga evitou de falar comigo, demonstrando o seu aborrecimento por ter-lhe mais uma vez incomodado-o com meus conselhos.

Hoje vejo os seus principais amigos da comissão, alguns evitando falar no assunto da sua prisão, outros defendendo-o, dizendo que ele foi vítima de uma armadilha e erro dos outros que foram presos junto com ele. Quando na verdade, foram esses amigos que o apoiaram nessas idéias malucas. Foram esses amigos que muitas vezes, curtiram, compartilharam e parabenizaram nas redes sociais as idéias malucas do Sr. William Braga.

Foram esses amigos que alimentaram a mente do Sr. William Braga contra à minha pessoa, dizendo-lhe que não devia me dar ouvidos, que eu era invejoso, e metido a saber mais do que os outros. Por omissão ou ignorância mesmo, seus amigos aplaudiam a cada absurdo que o Sr. William Braga inventava.

O resultado não poderia ser outro: A prisão, a humilhação!

Agora o Sr. William Braga terá tempo suficiente para refletir sobre as suas burradas e teimosias, e principalmente sobre os meus conselhos. E que diga-se de passagem, não foram tarde demais!

Espero também que os seus amigos da comissão façam uma vaquinha para pagar a sua defesa e tirá-lo da prisão.

Agora ele conhecerá os seus verdadeiros amigos!

Luiz Gomes – Autor do blog
Detetive particular desde 1987
Diretor de ensino da AIP – Academia de Inteligência Privada
Diretor presidente da ANADIP DO BRASIL

 

 

Leia a matéria completa:

Trio preso no Ceará fingia ser da polícia, falsificava e vendia distintivos

http://g1.globo.com/ceara/noticia/2016/08/trio-preso-no-ceara-fingia-ser-da-policia-falsificava-e-vendia-distintivos.html

 

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *