Hipnose forense #2: a prática profissional

Hipnose forense #2: a prática profissional

menos de 1 minuto Você sabia que a hipnose pode e é utilizada para desvendar crimes aqui no Brasil? No final do ano passado, publicamos um artigo sobre hipnose forense em nosso HipnoBlog (clique aqui para rever) e, naquela ocasião, falamos especificamente sobre o primeiro laboratório destinado a essa prática, localizado no Instituto de Criminalística do Paraná. Como bem sabemos, a hipnose forense tem auxiliado muito os profissionais da área criminalística, sejam eles investigadores, policiais, promotores, juízes, etc. Isso porque a técnica possibilita o Continue lendo

Comissão de pró regulamentação dos detetives está sem rumo e sem direção

Comissão de pró regulamentação dos detetives está sem rumo e sem direção

menos de 1 minuto Alguém pode explicar isso ai? Ontem quarta feira 23/03 recebi pela primeira vez uma ligação de um dos membros da suposta comissão de pró regulamentação da profissão liderada pelo NÃO detetive Sr. Itacir Flores. Para que está chegando agora e não sabe o que está acontecendo, vou explicar: O Sr. Itacir Flores, presidente da comissão de pró regulamentação, NÃO é, e nunca trabalhou como detetive. A ligação tinha como objetivo segundo o seu interlocutor (detetive Ábacus) saber detalhes do motivo Continue lendo

Grampo em Dilma indica que o Governo não avançou nas comunicações seguras

Grampo em Dilma indica que o Governo não avançou nas comunicações seguras

menos de 1 minuto Em 2013, quando vieram a tona as denúncias da espionagem sem limites dos Estados Unidos, o governo brasileiro ficou particularmente indignado com as interceptações de conversas da presidenta Dilma Rousseff – e, como se soube em seguida, de pelo menos 29 autoridades da administração federal. Na esteira das denúncias de Edward Snowden, o governo prometeu várias medidas para garantir a privacidade das comunicações. Mas um novo grampo envolvendo a presidenta lembra que muito pouco mudou de fato na política de Continue lendo

O detetive que nunca foi detetive

O detetive que nunca foi detetive

menos de 1 minuto Estamos vendo e acompanhando a movimentação de um cidadão que está empenhado em dividir a classe dos detetives. A estratégia de dividir a classe é a mesma estratégia que o atual governo vem fazendo com o povo brasileiro. Ricos contra pobres, negros contra brancos. No nosso caso, detetives contra detetives. Detetives intelectuais contra detetives ignorantes, assim pensa ele, que a maioria é ignorante. E que por isso vai ser fácil manipular e dominar. O que já aviso: É um grande Continue lendo

Investigação realizada por detetive particular desmonta tese de defesa e acusado pega 33 anos de prisão

Investigação realizada por detetive particular desmonta tese de defesa e acusado pega 33 anos de prisão

menos de 1 minuto Os advogados de Kenneth Jenkins, 33, esperavam que o juiz Charles Burton, de Palm Beach, Flórida, propusesse uma pena de quatro a oito anos de prisão a seu cliente, depois que ele foi condenado pela morte de três pessoas em um acidente de automóvel. Jenkins dirigia embriagado e entrou na contramão em uma rodovia. Seus atuais advogados estavam preparados para apresentar alegações que poderiam minimizar a pena: Jenkins nunca fora condenado por qualquer tipo de delito; no julgamento, seu antigo Continue lendo

Qual a diferença entre organização criminosa e  associação criminosa?

Qual a diferença entre organização criminosa e associação criminosa?

menos de 1 minuto Um dos temas mais intrigantes no cenário jurídico criminal e tormentoso para os órgãos de segurança pública mundiais é a organização criminosa, que nada mais é, como o nome mesmo já indica, do que a capacidade que os agentes criminosos possuem de se associar para praticarem atividades ilícitas. Frente à fragilidade estatal no combate aos grupos criminosos organizados, em 2013 foi publicada no Brasil a Lei 12.850/13 que apresenta artigos de natureza penal e processual penal e traz como forma Continue lendo

Anular provas é cada vez mais difícil, e defesa tem que vencer no mérito

Anular provas é cada vez mais difícil, e defesa tem que vencer no mérito

menos de 1 minuto BRASÍLIA — Castelo de Areia, Satiagraha e Banestado são passado. Em dois anos, a Lava-Jato pôs fim à era das operações anuladas em tribunais superiores, impôs um ritmo inédito à Justiça brasileira e virou de cabeça para baixo a realidade dos escritórios de advocacia penal. Sob forte demanda e com honorários na casa dos milhões, bancas de grande e médio porte tiveram que sofisticar os argumentos de defesa e incrementar os recursos à disposição dos clientes para fazer frente à Continue lendo

Investigador particular diz ter visto Madeleine McCann no Paraguai

Investigador particular diz ter visto Madeleine McCann no Paraguai

menos de 1 minuto Um investigador particular afirma ter visto Madeleine McCann — a garota britânica desaparecida de um hotel português aos 3 anos de idade em 2007 — no Paraguai. Ela estaria vivendo na cidade de Aregua, próxima a Assunção, sob a custódia de uma mulher há cerca de dois meses, segundo disse o detetive Miraz Ullah Ali à imprensa. Autoridades paraguaias, no entanto, afirmam não ter informações sobre o paradeiro da menina que é procurada pelos pais há quase nove anos. A Continue lendo

PF usa software de espionagem nas investigações da Lava Jato

PF usa software de espionagem nas investigações da Lava Jato

menos de 1 minuto O Cenário político brasileiro está em clima de guerra com o desenrolar das investigações da Operação Lava Jato, realizadas pela Polícia Federal. O que não se discute muito por trás desse processo todo são os métodos que os agentes utilizam para adquirir dados cruciais para o andar das apurações. Para analisar os dados contidos em aparelhos celulares dos investigados e suspeitos da Operação Lava Jato, a Polícia Federal utiliza uma tecnologia criada por especialistas em ciência forense de Israel que Continue lendo

É oficial: espionagem ‘governamental’ é autorizada na Alemanha

É oficial: espionagem ‘governamental’ é autorizada na Alemanha

menos de 1 minuto O Ministério do Interior da Alemanha aprovou uma medida que permite à polícia federal alemã usar um programa malicioso especial (trojan) para hackear computadores e celulares de suspeitos deste modo permitindo-lhes ter oportunidades de vigilância quase ilimitadas. O vírus informático pode ser usado mesmo na semana corrente, informou a emissora de rádio Deutschlandfunk. O software malicioso, desenvolvido com este objetivo pela Polícia Federal da Alemanha, tem funções similares a víruses geralmente usados por hackers, informou a emissora Deutsche Welle. O Continue lendo