Quais são os maiores mitos sobre detetives particulares?

Tempo de leitura: 6 minutos

Quando se fala em detetives particulares, a maior parte das pessoas imagina um sujeito de capa ou sobretudo, com roupas pretas e uma lupa na mão. E não é à toa: esse estereótipo foi muito difundido em livros, filmes e séries de TV.

Mas será que essa, de fato, é a realidade? Como esses detetives trabalham, afinal?

No texto de hoje, vamos esclarecer os maiores mitos sobre detetives particulares. Então, continue lendo e entenda melhor essa profissão!

“É preciso ter um dom ou habilidades especiais”

Embora pareça fantasioso, muita gente ainda acredita que, para se tornar um detetive, é necessário ter habilidades especiais ou algum tipo de dom. Mas isso não é verdade.

Ainda que seja preciso ter habilidades, elas podem ser aprendidas por meio de cursos específicos e desenvolvidas com a prática.

Quanto ao dom, assim como em qualquer outra profissão, é fato que algumas pessoas acabam tendo mais facilidade para ser bons detetives particulares. No entanto, não se trata de dom — é apenas uma vocação, e não um pré-requisito essencial.

“Qualquer um pode ser detetive”

Enquanto algumas pessoas imaginam os detetives particulares como pessoas quase místicas, outras têm o pensamento equivocado de que qualquer pessoa pode resolver ser um detetive particular, da noite para o dia.

E podemos perceber que os dois extremos estão equivocados. Não basta decidir ser um detetive, é preciso conhecer as técnicas dessa profissão e saber como utilizá-las de forma eficiente para conseguir resultados e proporcionar a satisfação para os clientes.

Justamente para isso, como foi citado, existem os cursos que podem prepará-lo para atuar nessa carreira — e também é preciso ter concluído o Ensino Médio.

“Existe uma vestimenta específica para detetives particulares”

Outro mito bastante comum a respeito dos detetives particulares é a de que eles têm um uma roupa específica, toda preta e com uma capa ou sobretudo.

Mas, parando para analisar essa ideia, isso seria mais prejudicial do que vantajoso para os detetives, que, muitas vezes, precisam atuar disfarçadamente nos locais. Na verdade, os detetives podem usar roupas diferentes de acordo com a situação, para que não chamem muito a atenção.

Para entender isso melhor, imagine a seguinte situação: o detetive é contratado para averiguar um caso de um cônjuge infiel, e precisa conseguir pistas em um ambiente como um restaurante mais requintado, por exemplo.

Nesse caso, ele deve utilizar uma roupa mais formal, assim como todos os que estiverem no ambiente.

Agora, imagine esta outra situação: o proprietário de uma fábrica ou empresa suspeita que um funcionário está roubando um bem ou informações sigilosas. Nesse caso, o detetive precisará se vestir de acordo com a vestimenta do ambiente, seja ele formal ou não.

Ambas as situações são recorrentes na carreira de um detetive particular, assim como familiares que contratam os detetives para saber se o filho usa drogas ou realiza alguma atividade ilícita. A roupa usada, portanto, é sempre escolhida de acordo com a necessidade.

“A lupa é uma ferramenta indispensável”

Muito vista em desenhos e filmes, a lupa é um objeto constantemente associado à profissão de detetive. Porém, ela não está entre as ferramentas mais utilizadas pelo profissional — é somente ilustrativa, representando sua procura por pistas.

Atualmente, a tecnologia é uma aliada nesse ramo de atuação, já que as câmeras, microcâmeras, escutas e softwares são muito úteis para que o caso seja solucionado.

“Podem deixar de entregar resultados”

Outro mito que envolve a profissão é que, caso não seja comprovada a suspeita, o detetive não precisa entregar resultado nenhum, o que também não é verdade. Pelo contrário: os detetives sempre precisam entregar um resultado para o cliente, por meio de um relatório com informações, imagens e até dados de conversas.

Até no caso de a suspeita ser falsa — quando o cônjuge não têm um caso extraconjugal, por exemplo — o detetive deve comprovar tudo por meio desse relatório.

“É uma profissão fácil”

Este é outro mito muito difundido por filmes, livros e desenhos. A figura do detetive costuma ser representada por uma pessoa naturalmente isolada, que pode, ou não, ter um animal de estimação, e que fica em casa sozinho a maior parte do tempo, sendo procurado pelos clientes que precisam da sua ajuda.

Só que a realidade é que o detetive precisa fazer muito bem seu trabalho para conquistar seus clientes e, então, ter uma procura maior. Nesse sentido, o anúncio dos serviços em canais de comunicação e redes sociais são alguns dos meios pelos quais é possível captar clientes que desejem contratar o serviço.

No entanto, assim como para todo profissional autônomo, as indicações são muito valiosas — e para que elas possam sempre ocorrer, o trabalho deve mesmo ser bem-feito, utilizando todas as técnicas e ferramentas necessárias.

Além disso, é necessário saber que a paciência é uma habilidade essencial, já que alguns casos podem demorar mais, com horários de trabalho podendo até exceder 24 horas.

Por fim, o raciocínio lógico também é muito utilizado. Além de descobrir as pistas, será preciso encaixar umas nas outras e esperar o momento e a forma correta para informar ao cliente a conclusão obtida.

“É necessário ser policial para ser detetive”

Muita gente tem vontade de se tornar detetive, mas acaba desistindo porque acredita que é necessário ser policial para isso. Entretanto, os detetives particulares não têm, de forma alguma, ligação com a polícia — o que traz vantagens e desvantagens.

A vantagem é que eles ficam a disposição do cliente, a partir do momento em que são contratados e podem atuar da forma que desejarem. Desde que, é claro, não infrinjam nenhuma lei nem prejudiquem o cliente.

A desvantagem é que eles não têm acesso a informações sigilosas ou que estejam, por algum motivo, protegidas pela lei. Ainda assim, esse não chega a ser um grande problema, pois os detetives são treinados para superar empecilhos como esses e ainda solucionar os casos.

Enfim, apesar de não ser exatamente como vista nos filmes, essa profissão é muito interessante e tem sido cada vez mais solicitada, principalmente por conta do aumento da criminalidade e do estado precário da segurança pública.

Sendo assim, a dica final para quem tem curiosidade sobre os detetives particulares e pensa até em se tornar um é: busque informações a respeito! E, se você gostou desse post, aproveite para nos seguir no Twitter e em nossos perfis no Facebook (Academia de Inteligência Privada e Meu Caro Watson)!

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *